E SE HOUVER UMA GRAVIDEZ?...

 

Uma gravidez não esperada é sempre um risco de quem tem uma vida sexual activa. Ter uma única vez, relações sexuais sem a utilização de um método contraceptivo, pode ser suficiente para que uma gravidez aconteça, mesmo que essa seja a primeira vez que se tem relações sexuais!

Quando uma gravidez não esperada acontece, sempre aparecem duas perguntas na nossa mente: Ter ou não ter o bébé? Sem entrar em controvérsias e valores pessoais, sociais e religiosos, existem consequências em ambos os casos, que é preciso que estejam presentes em cada um de nós, especialmente se temos ou pensamos começar uma vida sexual activa.

Numa gravidez na adolescência não podemos esquecer que existe:

  • Um maior risco de problemas durante a gravidez devido à idade, visto que o corpo não está preparado;
  • Um maior risco de problemas no parto e depois do parto.
  • Após o nascimento os bébés costumam ter um peso mais baixo que o normal e precisar de maiores cuidados.
  • A mãe adolescente muitas vezes não tem os conhecimentos técnicos nem a preparação psicológica para dar ao seu bébé os cuidados de forma adequada (precisando de uma aprendizagem e força de vontade maior que as mães não adolescentes).
  • Depois do nascimento do bébé, se a adolescente não tiver apoio, sente uma pressão muito grande podendo chegar até à depressão.
  • As mães adolescentes têm três vezes maior probabilidade de deixarem os estudos.
  • Muitas vezes a família não apoia/ajuda a mãe adolescente, nem o fazem os amigos e companheiros de escola.
  • Poucos homens são os que assumem a sua responsabilidade e apoiam a mãe adolescente. Os que assumem também atravessam dificuldades, tendo que tomar decisões que podem mudar os seus planos de futuro completamente.
  • Tanto a mãe como o pai, muitas vezes não estão preparados para trabalhar, cuidar do bébé e ao mesmo tempo continuar a estudar.
  • Ás vezes a adolescente não quer ter o bébé mas sente-se obrigada a fazê-lo, nestes casos torna-se uma experiência sentida como negativa psicologicamente, podendo criar algumas dificuldades na futura relação com a criança.

 

No entanto a decisão de não ter o bébé, também coloca problemas muito graves:

  • Em Portugal o aborto (interrupção da gravidez) é permitida por vontade da mulher apenas até às 10 semanas de gravidez.
  • Além deste período, não é permitida, mas muitas vezes é praticada sem condições de saúde, pondo mesmo em risco a vida da mulher ou adolescente.
  • Podem ocorrer vários problemas durante o aborto cujas consequências podem chegar até à infertilidade da adolescente ou mulher.
  • Depois de abortar aparecem muitas vezes sentimentos de tristeza e stress, apesar de se sentir alívio.
  • Também podem aparecer sentimentos de culpa, sobretudo associados às crenças religiosas.
  • Se não existe um apoio social (por parte do namorado/companheiro, familiares, amigos, médicos e outros profissionais), esta experiência pode ser sentida como muito difícil e a recuperação psicológica da adolescente ou mulher é mais complicada.
  • Muitas vezes a adolescente não quer verdadeiramente abortar mas sente-se pressionada a fazê-lo, nestes casos é também uma experiência negativa psicologicamente para a adolescente.

Embora, também existam alguns aspectos positivos, em ambas as situações, que ajudam a adolescente a superar as dificuldades e a adaptar-se de forma saudável, é muito importante estar consciente dos problemas que podem surgir.

Sempre que possível, é muito importante ter a ajuda da família. Existem vários sítios aos quais devemos ir se uma gravidez acontecer. Os centros de saúde e os médicos de família, uma consulta de planeamento familiar, tanto antes como principalmente depois da decisão ter sido tomada, apoio psicológico sempre que possível, associações várias que dão apoio neste sentido, etc.

Antes de tomar uma decisão e seja qual for a decisão tomada, é muito importante que procuremos o maior apoio possível, do companheiro, da família, de amigos e de profissionais que nos ajudem neste desafio.

O melhor é nunca ter de enfrentar uma situação destas! Para isso, o mais importante é evitar que aconteça uma gravidez não esperada.

Uma gravidez é sempre responsabilidade de duas pessoas! Assim, não é só a mulher que se tem de preocupar neste sentido, mas também o homem. O único meio totalmente seguro para evitar a gravidez é a abstinência (ou seja, não ter relações sexuais). Os restantes métodos contraceptivos permitem as relações sexuais mas, existe sempre um risco maior ou menor de falharem.

Uma das maneiras de tornar o risco mais pequeno é utilizar dois métodos contraceptivos.

Tendo em conta que a gravidez é uma responsabilidade tanto da mulher como do homem, é justo que ambos colaborem no cuidado de a evitar.

In, www.sexualidades.info