Prevenção

As IST (Infeções Sexualmente Transmissíveis), são doenças que são transmitidas através do contacto sexual, nas relações sexuais vaginais, orais e anais. 
Quanto maior for o número de parceiros sexuais maior é a possibilidade de sermos infetados ou de transmitir a uma doença. Se uma mulher infetada engravidar, pode transmitir a doença ao bébé e provocar-lhe malformações.
Algumas destas doenças podem matar, como a hepatite B e a SIDA. 
A melhor maneira de prevenir este tipo de infeções é a prática de sexo seguro através do uso de preservativo. 
É fundamental que todos estejam conscientes dos riscos, sobretudo quando se desconhece o comportamento e o estado clínico dos parceiros ou parceiras sexuais.
Um maior número de parceiras/os não se traduz necessariamente em maior risco, desde que todas as pessoas adoptem comportamentos de minimização do risco;

Sinais de alerta

  • Aparecimento de feridas, verrugas e caroços nos órgãos genitais da mulher ou do homem.
  • Corrimento vaginal, com ardor ou comichão.
  • Corrimento no homem.





Como se previnem?
  • O uso do preservativo é o método mais eficaz para evitar uma IST; 
  • Ter hábitos saudáveis de higiene; 
  • Logo que se sintam incómodos ou se detectem lesões na zona genital, deve consultar-se um médico; 
  • Para algumas IST, como a Hepatite B ou alguns tipo de HPV, existem vacinas para prevenção das mesmas, que devem ser igualmente consideradas. 
  • Não partilhar brinquedos sexuais; 
  • Quando se diagnostica uma IST, devem informar-se as pessoas com quem se teve sexo nos últimos tempos (pode significar nas últimas semanas, nos últimos meses ou nos últimos anos), dependendo da IST e de outros factores. 
  • Realizar exames exames periódicos, pois estes são essenciais para despiste das IST, uma vez que os sintomas são muito difíceis de detectar; 

O que fazer quando se tem um dos sinais?

  • Consultar um médico e fazer o tratamento completo recomendado.
  • Avisar a(s) pessoa(s) com quem se teve relações sexuais, mesmo que esta não tenha queixas, e aconselhá-la a procurar um médico, já que estas doenças podem transmitir-se mesmo não dando qualquer sinal.
                                                                                                                                                                                                    Associação para o Planeamento Familiar e Direção Geral de Saúde